sábado, dezembro 03, 2005

AROMA DE MULHER

Aroma de Mulher



O Aroma deixa marcas no ar
É a Amizade em angústia a sufocar
Neste mundo virtual e cordial
Sinto o template a querer respirar.

E nada diz da Ana-Luar!
Das fotos contidas da vida
Em linkes de fulgor desandar
Apenas sinto os acordes musicais a tocar.

Celine Dion sem suficiência a dar
As estrelinhas continuam a cintilar
mas o dedilhar da tua escrita continua a faltar
Música assim requer o teu acompanhar.

Se pelo o amor urge lutar
Não vale renunciar
Com o Aroma de Mulher a pairar
Faz pensar no caminhar.

Mateus Gouveia
03/12/05

11 Comments:

Anonymous Maria Papoila said...

Estou como tu saudosa do Aromas e dos post da Ana. Oxalá volte breve, porque não é dela, sair sem nada dizer! Belo poema inteiramente dedicado ao AROMAS! Beijo

sábado, dezembro 03, 2005 8:28:00 da tarde  
Anonymous Carlos said...

Então a raposa apareceu.
"Bom dia", disse a raposa.
"Bom dia", o Pequeno Príncipe respondeu educadamente. "Quem é você? Você é tão bonita de se olhar."
"Eu sou uma raposa", disse a raposa."Venha brincar comigo", propôs o Pequeno Príncipe. "Eu estou tão triste".
"Eu não posso brincar com você", a raposa disse. "Eu não estou cativada".
"O que significada isso – cativar?"
"É uma coisa que as pessoas freqüentemente negligenciam", disse a raposa. "Significa estabelecer laços".
"Sim" disse a raposa. "Para mim você é apenas um menininho e eu não tenho necessidade de você. E você por sua vez, não tem nenhuma necessidade de mim. Para você eu não sou nada mais do que uma raposa, mas sem você me cativar então nós precisaremos um do outro".
A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse: "Por favor cativa-me."
"O que eu devo fazer para cativar você?" perguntou o Pequeno Príncipe.
Você deve ser muito paciente". Disse a raposa. "Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia."
No dia seguinte o principezinho voltou.
Teria sido melhor voltares à mesma hora, disse a raposa. Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais me sentirei feliz. Ás quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens por exemplo a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração...É preciso ritos.
Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa e depois chegou a hora da partida dele – "Oh!" disse a raposa. "Eu vou chorar".
"A culpa é sua", disse o Pequeno Príncipe, "mas você mesma quis que eu a cativasse".
"Adeus", disse o Pequeno Príncipe.
"Adeus", disse a raposa. "E agora eu vou contar a você um segredo: nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas você não deve esquecê-la. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa."

(Saint-Exupéry)

sábado, dezembro 03, 2005 8:57:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Ó Mateus? A Ana fez o meu template e disse que ia fazer o selo e nunca mais apareceu? Estou á espera, bonito poema que lhe é dedicado, um abraço...

osaldanossapele.blogs.sapo.pt

sábado, dezembro 03, 2005 8:58:00 da tarde  
Blogger soslayo said...

Maria Papoila, Carlos,juda-ben-hur, nada mais me magoa que o silêncio inopinado e ensurdecedor. Não creio que possa ver verdade!? E esta música que ela tem no blog a mim já não me diz nada, sem que ela apareça novamente. Apenas coloquei-a em homenagem à Ana-Luar...

sábado, dezembro 03, 2005 9:47:00 da tarde  
Anonymous ana said...

Belo poema! Já agora quando chega a vez da Poison Girl? eu tambem desapareci por uma semana e não tive direito a poema! vou fazer birra!!!! loool brincadeirinha. Beijos

domingo, dezembro 04, 2005 10:54:00 da manhã  
Blogger JSilvio said...

;)
um aroma de mulher...dá que pensar
mto fixe ;)
bom domingo

domingo, dezembro 04, 2005 11:54:00 da manhã  
Blogger soslayo said...

Ana, mas tu não disseste que ias te afastar apenas e só te ausentarías por uma semana. E que tal as férias fizeram-te bem? Beijinhos.

domingo, dezembro 04, 2005 5:40:00 da tarde  
Anonymous Pozinhos de Perlimpimpim said...

Que homenagem bonita e sentida a tua, meu querido soslayo, é estranha a sua ausência, faz-nos falta a sua presença e as suas palavras tão doces e sábias. Quanto a ti, gostei muito das tuas palavras, é muito bonita a tua atitude. Beijos Mágicos

domingo, dezembro 04, 2005 7:45:00 da tarde  
Blogger António Caeiro said...

boa noite.

domingo, dezembro 04, 2005 10:24:00 da tarde  
Blogger Luís Monteiro da Cunha said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

terça-feira, dezembro 06, 2005 1:31:00 da tarde  
Blogger Luís Monteiro da Cunha said...

Hehehe... compreendi-te!
Por acaso não conheço a tua falta, penalizo-me por isso e não posso opinar!
Mas que compreendo a falta de alguém...mesmo que virtual... ai isso compreendo, e é real a dor que se sente, por quem não está presente. Apenas fica no nosso imaginário, a busca do sucedário, do que se passa e nada diz e sem falar nem comentar, nos deixa assim...desgostoso e infeliz.

Um abraço.

terça-feira, dezembro 06, 2005 1:33:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home





contador