quinta-feira, outubro 26, 2006

REFLORESCER


Veias entroncadas em meu rosto…
Deste Verão passado que me ataste
Inverno que pressinto a chegada
Das folhas caídas em debandada!

Ávida de mel e lágrimas sentidas
Espalhadas e desordenadas
Na vertical fico chorando
Que apresses o tempo de outras jornadas.

Rugosidades que alentam meus frutos
Neste sopé que me sustenta
Vegetabilidade que me aguenta!

Olho meus pés e vejo esvaídas…
A essência da minha seiva em ciclo de partida
Por muito que fujais, é esperança de vida!

Mateus Gouveia
25/10/2006

12 Comments:

Blogger Emilia said...

Poeta então ;) e com bom gosto para escolher imagens.

quinta-feira, outubro 26, 2006 2:00:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

A imagem é linda e o poema tb gostei muito.

Um beijo, soslayo.

quinta-feira, outubro 26, 2006 7:59:00 da tarde  
Blogger Um Poema said...

Só que, amigo, com todo este temporal não há como reflorescer.
Ainda assim, valem os sentimentos que as palavras expressam.
Um abraço

sexta-feira, outubro 27, 2006 4:07:00 da manhã  
Anonymous ana s said...

Olá Soslayo
Depois de tantas folhas caida no outono, há sempre esperança de um novo florir...para a vida. beijos

sexta-feira, outubro 27, 2006 7:53:00 da tarde  
Blogger Thiago Forrest Gump said...

Espero que as rimas denunciem um ótimo fim de semana!

Abraços

sexta-feira, outubro 27, 2006 10:24:00 da tarde  
Blogger Minhoca (moi-meme aussi...hoin,hoin) said...

Achei a "associação" de ideias espectacular...a seiva como esperança e ciclo de vida é uma frase que pode ter 1001 interpretações. Aliás, todo o poema é apropriado para quem o lê. Eu fiz a minha própria interpretação, fruto da minha vida, dos meus sentimentos, da minha vida, de quem sou...e gostei. Abraço do teu amigo Castor e da dona minhoca!!!

sexta-feira, outubro 27, 2006 11:00:00 da tarde  
Anonymous eskape said...

caiem as folhas e a chuva nao tem sido pouca, tambem é o tempo delas.
PS:as coisas estao a melhorar por cá. já temos o java.

sábado, outubro 28, 2006 3:15:00 da tarde  
Blogger marakoka said...

belas palavras
jocas maradas de choronas

sábado, outubro 28, 2006 8:00:00 da tarde  
Blogger Papoila said...

Querido Soslayo:
A imagem portentosa desta árvore enquadra este poema lindíssimo a lembrar que a seiva continua a circular e é um ciclo que se renova.
Beijo

domingo, outubro 29, 2006 11:40:00 da manhã  
Blogger Thiago Forrest Gump said...

Meu amigo, deixei-te um comentário no outro blog. Espero que não tenha me entendido mal. Se tiver entendido mal, vá lá e veja meu outro comentário. Eu só disse como é em grande parte aqui do Brasil. E sim, eu tenho uma camisa de coração onde ainda se lê: "eu sei amar."

lol

segunda-feira, outubro 30, 2006 2:11:00 da tarde  
Blogger Eu said...

adorei o poema e a foto..

quarta-feira, novembro 01, 2006 5:11:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Foto e poema lindos. encantei-me.

quinta-feira, novembro 02, 2006 11:54:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home





contador